sábado, 22 de abril de 2017

Após delação de Léo Pinheiro, capa da Veja narra ‘enterro político’ de Lula

A revista Veja desta semana reflete o depoimento do empreiteiro Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, um dos sócios da OAS, ao juiz Sergio Moro. O empreiteiro contou que o tríplex é mesmo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e que o próprio petista pediu a reforma do tríplex 164-A do Condomínio do Edifício Solaris, no Guarujá, e também do sítio de Atibaia, localizados em São Paulo.
Segundo Pinheiro, Lula sabia de tudo. O empreiteiro ainda revelou que o petista pediu em 2014 que destruísse provas de pagamento de propina para o PT. Segundo Pinheiro, Lula e ele discutiam sobre pagamento de suborno em maio de 2014, dois meses depois de a Lava Jato ter sido iniciada. Lula teria perguntado se a OAS pagava propina ao PT no Brasil ou no exterior, segundo o relato feito pelo empreiteiro. Pinheiro respondeu que pagava no Brasil.

Veja.com

Homem é assassinado com vários disparos de arma de fogo em Ouricuri, no Sertão

o início da noite desta quinta-feira dia (20), por volta das 18:30, um cidadão bodocoense, conhecido como Cristiano, que trabalhava como taxista, foi alvejado com vários disparos de arma de fogo, no Sítio Caracuí, na zona rural de Ouricuri, no Sertão de Pernambuco.

Segundo informações do Site Ouricuri em foco, dois homens chegaram de moto, armados e mandaram todos que estavam no local se deitarem no chão, inclusive a vítima que recebeu vários disparos de arma de fogo vindo a óbito no local. A Polícia Civil investiga o caso.

Por Blog do Flávio Galdino via Ouricuri em foco

Médica inocentada por mortes em UTI ganha direito a indenização milionária de hospital

O Hospital Evangélico de Curitiba foi condenado pela Justiça do Trabalho a pagar uma indenização de R$ 4 milhões à médica Virgínia Soares de Souza, que foi inocentada em primeira instância da acusação de matar pacientes na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A ação trabalhista foi movida porque ela deixou de trabalhar no hospital, logo que saiu da cadeia, após cumprir prisão em caráter preventivo, quando as denúncias foram feitas pela polícia.
Embora Virgínia tenha vencido o processo em primeira instância, ela ainda não recebeu os valores, pois o hospital recorreu da decisão.

De acordo com o advogado de Virgínia, Elias Mattar Assad, Virgínia nunca mais atuou como médica. Ele acredita que ela jamais voltará a atender pacientes. "Não creio que ela volte pelas conversas que tivemos. Eu gostaria que o que restou dela voltasse", afirmou.

Virgínia trabalhou por 25 anos no Hospital Evangélico. Em 2013, ela chefiava uma das UTIs do hospital. Naquele ano, a médica e mais sete colegas foram presos, devido às suspeitas de que eles atuariam para antecipar a morte de pacientes internados no hospital. Um dos objetivos, segundo a denúncia, era a liberação de vagas para novos pacientes. Segundo as investigações, as mortes sob suspeita aconteceram entre 2006 e 2013.

Inocência

Na sexta-feira (20), o juiz Daniel Surdi Avellar, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba, decidiu inocentar Virgínia e os colegas das acusações feitas pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR). O magistrado considerou que as provas apresentadas pelos promotores não eram conclusivas quanto a culpa dos réus. Avellar disse ainda que as testemunhas de acusação se mostraram confusas e deram depoimentos contraditórios e nebulosos. Com a decisão, eles não devem ser levados ao Júri Popular.

O MP-PR, porém, contesta a avaliação do juiz e diz que vai recorrer. "Nós queremos efetivamente, por meio do recurso, demonstrar que esse caso deve ser julgado pela sociedade. Porque casos graves aconteceram lá, nós temos absoluta certeza disso, e que houve sim antecipação das mortes", afirmou o promotor Paulo Lima.

Caso o Tribunal de Justiça aceite o recurso da promotoria, os oito citados nas investigações ainda podem responder pelos supostos crimes pelos quais foram acusados. A decisão, contudo, caberá aos desembargadores que vão analisar o caso em segunda instância.

Assad, no entanto, está confiante de que conseguirá manter a decisão em primeira instância. "Neste caso, o Conselho Regional de Medicina, por suas câmaras técnicas, analisou cada linha de todos os prontuários e chegou à conclusão de que ela apenas praticou a incompreendida medicina intensiva. As pessoas que morreram naquela UTI morreram. Morreram dos efeitos deletérios de suas próprias doenças", afirmou o advogado.

Do G1 - edição Blog do Flávio Galdino

Homem acusado de "estuprar" cadela tem prisão decretada

Emerson Fernandes Pedroso já tem prisão preventiva decretada após estuprar uma cachorra - que sempre estuprava - e postar o vídeo na internet. O que ele não esperava é que sim, pode ser preso por essa psicopatia. A Dema (Delegacia Especializada do Meio Ambiente) de Cuiabá (MT) já pediu a prisão preventiva do acusado. Em comunicado oficial, a delegacia publicou:
"O rapaz das imagens é o estudante, Emerson Fernandes Pedroso, morador de um residencial, no bairro Pedra 90, que deverá responder por crimes de maus tratos e associação criminosa. Ele já foi indiciado nos delitos praticados"
Sobre os indícios de associação criminosa, o delegado Gianmarco Paccola Capoani achou indícios de que Emerson Fernandes seria membro de um grupo de zoófilos. "Essas pessoas teriam por prática ilícita o contato físico com animais e, na sequência, a filmagem de tais atos e sua especulação do referido material, que circularia entre os indivíduos do grupo", explicou.
O caso começou a circular com uma denúncia da apresentadora Luiza Mell no Facebook. Ele pode pegar de 1 a 3 anos de prisão.

"Eu estou em choque. Este ser estuprou sua cadela e filmou!!!!! As cenas são nojentas. Queremos justiça. A ong local fez o B.O. Mas temos que fazer barulho para que seja punido! Tem que perder a guarda da cachorra já! Trabalharei hj para isso! Ah aqui o insta do criminoso @hemerson_fernandes_odonto"

"Eu fui farejar também. Liguei lá na faculdade que ele diz que frequenta, a Unic - Universidade de Cuiabá. De acordo com a diretoria, não existe nenhum aluno com esse nome na faculdade."

Fonte: R7 - Blog do Flávio Galdino

“SOMOS ALIADOS DE ROBERTA E ALEXANDRE ARRAES”, AFIRMAM OS VEREADORES DIVONA E TICO DE ROBERTO

Contrariando algumas especulações que circularam nos bastidores da política dando conta de que os vereadores Divona da Rancharia e Tico de Roberto teriam aderido ao grupo do prefeito Raimundo Pimentel, os dois parlamentares participaram do programa Canal Aberto na Rádio Nova Araripe FM e afirmaram que são aliados da deputada estadual Roberta Arraes e do ex-prefeito Alexandre Arraes.
“Fomos eleitos no grupo da oposição e é justamente onde vamos permanecer. Sou um político que sempre pautei a minha vida pública com fidelidade aos meus eleitores e ao grupo político que pertence. Sempre tive um lado e o meu é da oposição liderado por Roberta e Alexandre. Estou no quinto mandato e faço política com responsabilidade”, disse Tico de Roberto.
“Sou aliado de Roberta e Alexandre e continuamos firmes e fortes na oposição, mesmo porque fomos eleitos na oposição. Temos responsabilidade com nosso mandato, com o povo e respeitamos o nosso grupo político. Não faço político por conveniência e nem oportunismo. Faço política com seriedade, respeito e muita responsabilidade”, disse Divona.
PROJETOS DO EXECUTIVO
Provocados pelos ouvintes, principalmente alguns servidores da prefeitura a respeito de como votariam nos Projetos de Lei oriundos do Poder Executivo e que trata da revisão dos Planos de Cargos e Carreiras dos professores e do Fundeb 40, os vereadores declararam publicamente de que forma irão votar.
Tico de Roberto disse que não ficaria contra os trabalhadores e que vai votar pela reprovação. A mesma posição também de Divona que garantiu publicamente que não iria votar nos dois projetos que tiram direitos adquiridos pelos trabalhadores.
Os projetos têm causado uma grande polêmica e um embate entre o SIMA – Sindicato dos Servidores Municipais de Araripina e a prefeitura. Pelo projeto várias conquistas dos trabalhadores seriam retiradas e o sindicato não concorda. Por conta disso, os projetos estão se arrastando desde o início da gestão e não são colocados em votação.
Por Martinho Filho 

CHARGE DO DIA:


Oposição cobra acréscimo aos salários dos professores do município de Araripina - PE

No início deste ano, o Ministério da Educação (MEC) anunciou reajuste de 7,64% ao piso salarial dos professores da rede pública. Anualmente, o piso é ajustado de acordo com a Lei Federal 11.738/2008. Em Araripina, a oposição cobra esse acréscimo aos salários dos professores do município.
Segundo o vereador Francisco Edivaldo (PSB), o aumento, que passou a valer desde o último mês de janeiro, ainda não foi efetuado pelo governo de Araripina. O socialista defendeu o reajuste na última segunda-feira, 17, através do Requerimento 144/2017. “A oposição vinha alertando o prefeito desde o começo da gestão sobre esse reajuste. Agora, venho cobrar formalmente ao governo municipal que garanta aos professores da nossa cidade o reajuste anunciado pelo MEC e que é de direito deles,” discursou Edivaldo.
O menor salário a ser pago a professores da educação básica da rede pública deve passar dos atuais R$ 2.135,64 para 2.298,80.
Em votação no plenário, o requerimento obteve aprovação unânime e segue para apreciação do prefeito.
Assessoria de Imprensa | Foto – Sandro Romero